Teoria Feminista

rp_card-transmissao-300x180.png

Debate com feministas da América Latina terá transmissão online

O 8 de Março de 2017 ficou na história da movimentação das mulheres em todo o mundo, como um grito por liberdade, pela garantia de direitos e pela luta por um mundo onde as desigualdades e a opressão não sejam marcadores dos corpos e das vidas das mulheres. E este também é o ano do XIV Encontro

capa-estudo-CondMulheresNegras-728x1024

Breve levantamento sobre a situação das mulheres negras em Pernambuco

Para contribuir com a luta das mulheres negras, em Pernambuco e no Brasil, na difícil ação de denúncia e enfrentamento ao racismo, o SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia, compilou e colocou à disposição este breve levantamento das Condições de Vida das Mulheres Negras em Pernambuco. A publicação é resultado da luta do

SOS Corpo - teorias do patriarcado 1

SOS Corpo lança livro sobre teorias materialistas do patriarcado

O SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia, de Recife, Pernambuco lançará na próxima sexta, 8 de abril de 2016, uma publicação com a contribuição de feministas materialistas para o debate sobre o patriarcado. O livro “O Patriarcado Desvendado. Teorias de três feministas materialistas – Collete Guillaumin, Paola Tabet, Nicole-Claude Mathieu” é resultado de

Nancy-fraser-entrevista2

Entrevista com Nancy Fraser: Um feminismo em que “romper barreiras” não rompe com a exploração

Por GARY GUTTING e NANCY FRASER. Tradução: Carolina Gomes para Universidade Livre Feminista.   No último dia 3 de novembro, Nancy Fraser esteve na Universidade Federal da Bahia para ministrar a palestra “Capitalismo, Feminismo e a Astúcia da História”. O auditório ficou lotado de gente ávida por ouvir a filósofa política (que ainda não tem

Revista_Pagu_UNICAMP

Relações mediadas digitalmente são tema da nova Revista Pagu

Percursos digitais: corpos, desejos, visibilidades – Cadernos Pagu n.44 jan./jun. 2015 organizado por Iara Beleli e Richard Miskolci Por Carolina Branco Nos últimos dez anos, computadores portáteis, smartphones, tablets, ganharam importância na vida das pessoas, que trabalham, se socializam e, inclusive, flertam e criam relações amorosas por meio deles. No mês de comemoração dos 20

pelas_mulheres_indigenas

“Pelas Mulheres Indígenas” é disponibilizado para download

O livro “Pelas Mulheres Indígenas” foi fotografado e desenhado por mulheres indígenas de oito etnias do Nordeste brasileiro, e traz relatos sobre suas vidas, seus sonhos e sobre o ser mulher indígena hoje. Ele é o resultado do projeto com mesmo nome que está implementando uma formação contínua sobre direito das mulheres, com mulheres indígenas

unnamed

Carole Pateman participa de debate sobre participação política das mulheres

O Painel Pequim+20: Mais Mulheres na Política discutirá as perspectivas de superação dos principais obstáculos para a participação das mulheres brasileiras na política parlamentar no curto, médio e longo prazo. O evento ocorrerá em Brasília mas terá transmissão online pelo site do Interlegis. Carole Pateman (1940-) é cientista política, conhecida como crítica da democracia liberal

dest_ebook_livrogrande

Almanaque D’Elas é lançado em versão eletrônica

Um Almanaque para levar leitoras e leitores a uma outra dimensão: a do feminismo. Como parte da campanha “Ah! Então sou feminista”, o Almanaque é uma proposta original e bastante eficaz: traz um conjunto de textos, curiosidades, imagens, tiras, jogos e entretenimento que fazem um passeio pelo mundo que o feminismo quer para todas nós.

Poster do VNS Matrix, meio dos anos 90. Crédito: Josephine Starrs

CyberFeminismo nos Anos 90

Em texto de para o portal Motherboard, Claire L. Evans [Tradução de Ananda Pieratti] fala sobre o cyberfeminismo dos anos 90, uma corrente de pensamento, arte e crítica que nasceu no início da década 90. O termo cyberfeminismo foi cunhado simultaneamente pela teórica cultural britânica Sadie Plant e pelo coletivo artístico australiano VNS Matrix em

Entrevista com Débora Diniz sobre seu novo livro, que revela os detalhes da vida das mulheres atrás das grades

Em entrevista ao El País, Débora Diniz fala da sua experiência com a pesquisa que deu origem ao livro. A antropóloga, professora da Universidade de Brasília, passou seis meses frequentando, quase diariamente, da manhã até à noite, o PFDF – Presídio Feminino do Distrito Federal (popularmente conhecido como Colmeia), situado no Setor de Chácaras da