Todos os posts

Roque-pense-feira-abr2016

[RJ] Hoje o Laboratório Roque Pense! apresenta Feira de Cultura Feminista

Participantes da Oficina de Produção Cultural produzem, hoje, dia 20 de abril de 2016, o evento “Pense! Feira de Cultura Feminista”, no encerramento do projeto O Laboratório Roque Pense! aconteceu durante todo o mês de abril, na cidade de Duque de Caxias, integrando cinco encontros que debateram Feminismo e Produção Cultural, partindo da experiência do

capa-estudo-CondMulheresNegras-728x1024

Breve levantamento sobre a situação das mulheres negras em Pernambuco

Para contribuir com a luta das mulheres negras, em Pernambuco e no Brasil, na difícil ação de denúncia e enfrentamento ao racismo, o SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia, compilou e colocou à disposição este breve levantamento das Condições de Vida das Mulheres Negras em Pernambuco. A publicação é resultado da luta do

SOS Corpo - teorias do patriarcado 1

SOS Corpo lança livro sobre teorias materialistas do patriarcado

O SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia, de Recife, Pernambuco lançará na próxima sexta, 8 de abril de 2016, uma publicação com a contribuição de feministas materialistas para o debate sobre o patriarcado. O livro “O Patriarcado Desvendado. Teorias de três feministas materialistas – Collete Guillaumin, Paola Tabet, Nicole-Claude Mathieu” é resultado de

capture1

Estamos na CSW 2016, dando continuidade à luta de Beijing

Nós da Universidade Livre estamos acompanhando a reunião da Comissão de Status da Mulher (a sigla em inglês é CSW), reunião da ONU que discute a implementação dos acordos da Conferência de Beijing. Para saber mais sobre a  Comissão e o que está acontecendo, procure nas redes sociais por hashtags como #CSW60 e #WhatYouthWant. A

1970 NY

8 de março: Dia internacional de luta

O 8 de Março é um dia de luta. Não nos esqueçamos disso quando vierem nos entregar flores, bombons e parabéns. Temos projetos de lei em curso no Congresso Nacional que visam a retirar direitos das mulheres e interditá-las a terem acesso a seus próprios corpos, como o PL 5069/2013, de autoria de Eduardo Cunha

[INESC] PPA da crise: bonito no papel, inviável na prática

No artigo “PPA da crise: bonito no papel, inviável na prática”, Carmela Zigoni, assessora política do Inesc, afirma que o novo Plano Plurianual do governo federal é frustrante porque tudo que ele promete para políticas públicas que valorizam os direitos de negros, mulheres, jovens e indígenas, está inviabilizado pela Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2016.

TEDx: Por que xingamos homens e mulheres de formas diferentes?

Você já parou para pensar que usamos palavras diferentes para xingar homens e mulheres? Que às vezes uma palavra ofensiva para uma mulher pode ser enaltecedora para um homem (ou vice-versa)? Ou ainda, que uma palavra ofensiva no espaço público pode ser considerada erótica na vida íntima? A professora de Psicologia Clínica da Universidade de

11229772_868837429879129_9206191618317319543_o

Atendimento à saúde no Rio no contexto da “objeção de consciência” será averiguado por Relatora de Direitos Humanos

A Relatora de Direitos Humanos e Estado Laico, Dr.ª Ivanilda Figueiredo, visitará a cidade do Rio de Janeiro nos dias 17 a 19 de fevereiro para uma missão que tem como objetivo verificar se o direito à saúde vem sendo respeitado no contexto da objeção de consciência, regulamentada pela Lei Estadual 6998/15-RJ.

zika-aborto-banner-01

Zika vírus e as mulheres: direito ao aborto na pauta

Nos últimos meses, uma epidemia de zika colocou o Brasil em alerta e a reacendeu o debate sobre a legalização do aborto. Identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015, o vírus pode ter relação com o aumento no número de casos de microcefalia, condição em que o bebê nasce com um crânio

Por que homens e mulheres sofrem de formas diferentes?

Nestas vídeo-aulas, a professora Valeska Zanello (UnB), ensina como o gênero cria caminhos privilegiados de subjetivação, o que levaria as mulheres a terem uma relação identitária com o amor e a maternidade. Já os homens, seriam levados a terem uma relação identitária com a performance sexual e do trabalho. Apesar de todas as “tecnologias de