All posts by Cristina Lima

Websérie apresenta histórias reais de violências contra as mulheres

Na 3ª temporada, ‘Confessionário – Relatos da Casa’ é ainda mais real Em cinco dos nove episódios, atrizes contam histórias pessoais de violências sofridas Dor. Vergonha. Desespero. A agressão sexual vandaliza a intimidade da vítima. Transtorna a ponto de muitas optarem por não lidar mais com as lembranças e tentarem apagá-las. Já a atriz porto-alegrense

Prosa feminista: pesquisa de mulheres para mudar o mundo

Infraestruturas Feministas na construção de um novo mundo

Violência contra as mulheres é um problema crônico nas universidades, revela pesquisa

Coletivo As Trapeiras apresenta projeto “Fortalecendo Mulheres” em formato virtual

Coletivo se aproxima de mulheres vinculadas a centros de acolhimento e outros espaços através de oficinas artístico-pedagógicas, espetáculos e contação de histórias, alertando sobre a violência de gênero e padrões tóxicos de comportamento, dentro e fora de relacionamentos amorosos. Projeto fortalece mulheres cis e trans contribuindo para a quebra de ciclos de violência doméstica A

Campanha educativa “Feminismo com quem tá chegando” (ou por que não fazemos um curso básico sobre Feminismo?)

Odailta Alves, uma escritora de “letras pretas”

#paracegover #paracegoler

Mulheres de classes populares e internet é tema de live, nesta terça, 16

Tempos modernos? Trabalho feminino em pandemia

Via Outras Palavras. O tão romantizado “home office”, novo fio invisível da exploração neoliberal, escancara a importância do serviço doméstico. É motor de pulsação do cotidiano. Mas, desvalorizado e sub-remunerado, expõe mais uma desigualdade de gênero por SOS Corpo   A forma de desenvolvimento capitalista produziu historicamente uma vida cotidiana em que o tempo social

Os rostos do Chile na crise do modelo neoliberal

“O Chile despertou”, “explosão” ou “explosão social” são algumas das expressões locais que têm sido usadas para nomear o evento que surpreendeu a sociedade chilena no dia 18 de outubro, em reação ao aumento de 30 pesos na tarifa do Metrô de Santiago. O chamado dos alunos que incitaram e iniciaram o protesto foi “Evadir e não pagar”. Desde então, os cidadãos têm permanecido atentos e comprometidos com as suas demandas, insistentes e reiteradas nos últimos anos porque “não são 30 pesos, são 30 anos”, disseram eles.