Bispo de Jales critica "fundamentalismo" de religiosos que condenam plano

Bispo de Jales critica "fundamentalismo" de religiosos que condenam plano

LARISSA GUIMARÃES
da Sucursal de Brasília

O bispo de Jales (SP), dom Luiz Demétrio Valentini, criticou ontem o “fundamentalismo” de religiosos da Igreja Católica, que querem condenar todo o 3º PNDH (Plano Nacional de Direitos Humanos). Os bispos estão reunidos em Brasília, na 48ª Assembleia Geral da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), e deverão apresentar nesta quarta-feira um documento com críticas ao plano dos direitos humanos.

De acordo com dom Valentini, parte dos bispos vê o plano como uma “provocação” e, por isso, quer condenar em bloco todo o PNDH-3. Ele disse temer que seja fechado um documento “marcado pelo fundamentalismo”, pois para ele o plano de direitos humanos traz muitos avanços.

“A gente percebe que existe um patrulhamento externo, mandam centenas de e-mails [para os bispos], invocando o evangelho para condenar em bloco [o plano], para mandar o presidente para o inferno e mais não sei quem junto”, disse dom Valentini.

“Alguns bispos parece que se sentem mais motivados por esse tipo de posicionamento, que para mim é caracterizado por um fundamentalismo incompatível com os nossos tempos”, completou.

O PNDH-3 tem provocado polêmica desde o início do ano, por tratar de temas como o aborto, o que enfureceu setores da Igreja Católica. Após pressões, o governo resolveu modificar o trecho que tratava do aborto e poderá também alterar o item sobre a ostentação de símbolos religiosos, como crucifixos nas paredes. A versão final do plano dos direitos humanos deverá ser assinada pelo presidente Lula e divulgada pelo governo.

Segundo dom Valentini, a discussão sobre o PNDH-3 na última segunda-feira foi marcada por tensão e falta de consenso. De acordo com o bispo de Jales, parte dos religiosos não aceita que o plano de direitos humanos trate de questões como a profissionalização de prostitutas, a adoção de crianças por pessoas do mesmo sexo e a união civil gay.

“Tenho esperança de que prevaleça o bom senso. Tenho a esperança de que não vamos fazer um documento marcado pelo fundamentalismo”, afirmou.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>