_Entrevista

“A Igreja é muito machista”, diz irmã franciscana

PL da atenção às vítimas de estupro é inegociável e deve ser sancionado integralmente pela presidenta Dilma

Agência Patrícia Galvão Prazo para sanção ao texto vence dia 1º de agosto. Organizações feministas vêem ataque aos casos de aborto legal já previstos no Código Penal brasileiro na cruzada aberta por entidades religiosas contra a proposta, que não traz nenhuma mudança na legislação em vigor e apenas regulamenta os procedimentos para atendimento hospitalar em

Brasil não protege seus/suas ativistas, afirma entidade

Nana Queiroz: Penitenciária feminina e o ‘pacote padrão’

IHU – Unisinos Adital Quinta, 15 de agosto de 2013 “Itens de higiene se tornam moeda de troca dentro dos presídios femininos, tão valiosos quanto cigarros, serviços de manicure e cabelereiro, entre outros”, informa a jornalista. “É internacionalmente reconhecido que o sistema penitenciário feminino brasileiro é inadequado”, afirma a jornalista Nana Queiroz (foto abaixo), responsável pelo

Wiecko: “Na democracia, não se deve temer os movimentos sociais”

Barbara Szaniecki: Monstro e multidão – a estética das manifestações.

IHU – Unisinos Adital, 15 de julho de 2013 “As análises mais acertadas nesse primeiro momento foram as dos próprios manifestantes em seus movimentos coletivos e singulares. Apesar da diversidade das demandas, eles visivelmente se reconheceram e se encontraram na crítica aos atuais governantes da nação e gestores das cidades”, diz a pesquisadora. “Se existe

Belleza fatal: Las nuevas caras de la alienación femenina

‘Denúncias vão elevar índices de estupro’, diz ministra Eleonora Menicucci

“É vergonhoso”, disparou Dilma Rousseff dias atrás, ao comentar publicamente o novo Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Referia-se ao seguinte vexame estatístico: o número de estupros no País, em 2012, foi 18,7% maior do que em 2011, superando o número de homicídios dolosos. Mas a reação da presidente, na avaliação de uma de suas ministras mais próximas, a

Mães pela igualdade (Entrevista)

Amanda Vieira November 15, 2013 Majú Giorgi, ativista da causa LGBT, é uma mãe com orgulho. Ela faz parte do movimento político “Mães pela Igualdade”, que conta com ativistas (mães e pais) em dez estados do país. O ativismo eh amplo: ela escreve o blog no portal Ig:http://maepelaigualdade.ig.com.br/. No Facebook, administra as páginas “Todos contra a homofobia, a Lesbofobia e a Transfobia”, “Cartazes &

“Projeto é a consolidação do enfrentamento da cultura do estupro no Brasil”