mulheres encarceradas

Sobre o mofado miolo de pão: carta a uma aluna

Há algumas semanas, circulou pelas redes sociais uma imagem que denunciava que as mulheres de penitenciárias femininas usavam miolo de pão como absorventes internos, motivada pela divulgação do livro “Presos que menstruam”, da jornalista Nana Queiroz. A imagem causou grande comoção e diversas campanhas para arrecadação de absorventes foram feitas, embora a Secretaria de Administração

CFEMEA: Na Contramão dos Direitos Humanos, a Criminalização da Juventude

A configuração desse Congresso 2015-2019 já foi apontada, mais de uma vez, como a mais conservadora dos últimos tempos, inclusive para os analistas mais otimistas. Liderados pelo PMDB de Eduardo Cunha e sua trupe fundamentalista, após o show de autoritarismo nas votações sobre a Reforma Política, entrou em ação o trator criminalizador na votação da

Movimentos vencem segunda batalha contra a redução da maioridade penal

1 de julho de 2015 Link original da notícia da EBC. Após mais de quatro horas de discussão, o plenário da Câmara dos Deputados rejeitou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171 que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos. Foram 303 votos a favor, 184 contrários e três abstenções. Para ser

Movimentos se mobilizam contra a redução da maioridade penal

Notícia de 30 de junho de 2015: Começa hoje a votação no plenário da Câmara dos Deputados da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 171/93) que trata da redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. Para ser aprovada, a PEC deverá ser votada em dois turnos, com pelo menos 308 votos (3/5 dos

A farda e o feminicídio

“Uma mulher tem, pelo menos, três vezes mais chances de ser morta pelo companheiro se ele for da segurança pública” aponta Débora Diniz em “A farda e o feminicídio”, a partir de pesquisa sobre violência contra as mulheres realizada no DF. “Se o resultado dessa pesquisa fizer sentido também em outras regiões do país, esse

STF autoriza Mulher grávida em prisão preventiva pode ir para casa

A lei garante à gestante presa preventivamente o direito de passar os últimos três meses de gravidez em casa, independentemente de sua condição de saúde. No entanto, uma mulher presa em São Paulo teve de recorrer ao Supremo Tribunal Federal para ter seu direito garantido. Renata Gonçalves Cardoso, de 24 anos, presa preventivamente por tráfico