Todos os posts

1ª Marcha das Mulheres Indígenas marca a história brasileira ao levar 3 mil mulheres às ruas em defesa dos territórios

Marchas 2019: “É melhor morrer na luta do que morrer de fome”

A mãe terra gritará por nossos corpos

Por Inara do Nascimento Tavares Link do post original: http://www.articulacaodemulheres.org.br/2019/08/12/a-ma%cc%83e-terra-gritara-por-nossos-corpos/ No final do mês de julho, participei de um encontro de professores pesquisadores na Bolívia. Um parente do Equador, do povo Quéchua, iniciou sua apresentação afirmando: o mundo andino amazônico é uma mulher. Como estamos cuidando de nossas mulheres? Aquela afirmação me atravessou em uma sala

2º Festival pela Vida das Mulheres

A publicação Trajetórias e Argumentos Feministas pelo Direito ao Aborto no Brasil foi lançada nesta segunda, 27, no Recife/PE, dentro da programação do 2º Festival Pela Vida das Mulheres. A publicação reúne os principais argumentos apresentados por dez organizações feministas, nas petições de Amicus Curiae, a favor da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF)

“Uma mortalha de papel para aqueles que não têm sepultura” 

8 de março e a importância de ouvir as mulheres

Por Thayz Athayde* Publicado originalmente no site da ADUA – Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas: http://www.adua.org.br/artigos.php?cod=269 O corpo das mulheres é atravessado de histórias. Parece que, ainda que algumas questões tenham sido discutidas e para algumas pessoas até superadas, o corpo das mulheres carrega um grito de luta em que precisamos dizer

“Firmes na resistência” – Vitória de Bolsonaro | Analba Brazão Teixeira, educadora y militante feminista:

Analba Brazão, educadora e militante feminista, integrante do SOS Corpo, da Articulação de Mulheres Brasileiras e colaboradora da Universidade Livre Feminista, fala sobre o enfrentamento ao fascismo, a violência que permeou as eleições 2018, a organização das mulheres e a resistência do Nordeste: “Estamos firmes na resistência”. A entrevista está em espanhol, mas super vale a

Nicarágua: 38 defensoras/es de DH presas/os de forma arbitrária

38 defensoras e defensores de direitos humanos e manifestantes que exerciam direito a reunião pacífica presos arbitrariamente em Manágua, Nicarágua. Na manhã do domingo 14 de Outubro, a Polícia Nacional prendeu de maneira arbitrária em Manágua, mais de 20 pessoas que estava, exercendo o direito a reunião pacífica para exigir a liberdade das presas políticas

Nossa autonomia não é moeda de troca eleitoral!

Virada Feminista 2018 tem caráter antifascista em conjuntura eleitoral