Diálogos Ativistas sobre Autocuidado

Diálogos Ativistas sobre Autocuidado

[Encerrado] A pergunta “Que sentido tem a revolução se não podemos dançar?”, título de um livro que trata do tema do autocuidado entre ativistas, foi a centelha inicial que motivou os Diálogos: Ativismo e autocuidado. Nos perguntávamos se o cuidar de si e ter cuidado com a outra era um tema importante para as feministas.

As experiências narradas nos Diálogos Virtuais demonstram que sim, que há inúmeras formas de tornar viáveis as práticas de autocuidado e de cuidado entre mulheres em nível individual, organizacional e nos movimentos. Cuidar das lutas (revolução) e cuidar de si (dançar) aparecem nos relatos ora como complementares, ora como dissonantes ou contraditórios, outras vezes como inseparáveis, afinal, a militância no feminismo, muitas vezes, é também dança. No entanto, as experiências também demonstram os inúmeros desafios para que o cuidar de si se torne um elemento senão central, ao menos indispensável na nossa militância.

Os Diálogos possibilitaram a reunião de um grupo altamente plural de mulheres feministas e ativistas, de regiões distantes do Brasil, na faixa etária entre 24 e 70 anos, que atuam em organizações, grupos e coletivos feministas, em movimentos sociais mistos, no sindicalismo, em partidos políticos, universidades e núcleos de estudo sobre gênero. Das 51 mulheres participantes, 32 aparecerem ativamente na discussão no ciberespaço por meio de intervenções diretas (postagens) nos Diálogos Virtuais.

 

Acesse o curso

Detalhes

Data: Maio - Agosto de 2014

Proponente: ULF

Tutoria: Com tutoria

Status: Encerrado

Link: http://universidadefeminista.org.br/