Guia Prática de Estratégias e Táticas para a Segurança Digital Feminista

Guia Prática de Estratégias e Táticas para a Segurança Digital Feminista

Mudança de comportamento junto a feministas na internet é foco de campanha

A Guia Prática de Estratégias e Táticas para a Segurança Digital Feminista é a base da campanha que a Universidade Livre Feminista, o CFEMEA – Centro Feminista de Estudos e Assessoria, Marialab e Blogueiras Negras e SOS Corpo – Instituto Feminsita para a Democracia construíram para dialogar com mulheres, especialmente as ativistas, e coletivos feministas sobre segurança digital.  A campanha será lançada juntamente com a Guia durante o 14o Encontro Feminista da América Latina e Caribe (EFLAC), em Montevidéu, no dia 24 de novembro, às 16h.

Como reação a nossa crescente ocupação do ambiente digital, ativistas e coletivos feministas que se destacam por sua atuação na internet também passaram a sofrer com a vigilância e diversas manifestações de violência. Nós, mulheres, estamos sujeitas a diversos tipos de violências e na internet não é diferente. Nas ruas, em casa, no trabalho, nos movimentos, nossos corpos são alvo de assédio, estupro, racismo, lesbofobia, transfobia e criminalização. Apesar da ocupação desse espaço pelos feminismos, ainda discutimos pouco as violências a que estamos sujeitas nele e que vêm se intensificando cada vez mais.

Porém, pouco se faz para deixar o território digital um ambiente menos misógino e racista. As agressões são inúmeras e sistemáticas e tendem a ser banalizadas, pouco visibilizadas ou  reconhecidas. Neste sentido, evidenciar essas violências e entender como nos defender é um dos primeiros passos para criarmos um ambiente digital mais seguro para as militantes feministas. A ideia da campanha é provocar o debate sobre mudança de comportamento no espaço virtual e no uso de ferramentas e dispositivos que acessam a internet.

Entre as prioridades da campanha de segurança digital feminista estão:

  • Provocar o debate sobre a importância de um comportamento seguro em relação à internet junto a feministas que atuam de forma individualizada na rede e/ou militantes de coletivos e movimentos organizados;
  • Dialogar sobre métodos de proteção e segurança na utilização de celulares e smartphones, que reúnem diversas informações pessoais e de militância que precisam ser resguardadas para a segurança pessoa de ativistas ou militantes feministas assim como dos coletivos de que participam.

Além da disponibilização da Guia na página da Universidade Livre Feminista e de suas parceiras, foram criadas mini-cartilhas (impressas e digitais) sobre estas duas abordagens, além de pequenas peças para serem distribuídas em canais específicos: orientações sobre utilização de celulares podem ser veiculadas através das redes sociais e vice-versa. A ideia é que os materiais impressos sejam utilizados e distribuídos nas diversas ações presenciais de que participamos e que colaborarem para um debate permanente sobre a segurança digital entre nós, mulheres, ativistas e militantes feministas.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

onze + quatro =

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>